Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Geração à Esquerda

Geração à Esquerda

Ética Descartável

etica descartavel.jpg

Disfarçado, quase que invertendo o sentido do dedo indicador, devagar e em pezinhos de lã, o mea culpa do Fundo Monetário Internacional vai chegando. Vivek Arora, director do departamento de Análise Estratégica e Política do FMI, afirmou que em casos em que a sustentabilidade da dívida não pode ser categoricamente assumida, a restruturação da mesma é – e passo a citar – “a solução desejável”. Vai mais longe, dizendo que a restruturação teria sido o passo acertado para evitar que “o peso do ajustamento fosse transferido da redução da dívida para um esforço de consolidação orçamental muito grande”. Concretamente e sem floreados demagógicos, aquilo que isto quer dizer, é que se a dívida tivesse sido restruturada à partida, conforme foi sugerido pelos diversos agentes políticos da Esquerda portuguesa, não teria sido obrigado a reduzir de forma abrupta e desnorteada o défice orçamental.

Mas então, o que é se passou para que esta regra não se aplicasse em Portugal? O risco de contágio é apontado, pelo relatório apresentado pelo Fundo, como o motivo primordial. Parece-me vago e muito pobre, que o risco de contágio surja como motivo: mais, se, este indicador é válido para Portugal, é, de igual forma, válido para outros países com situação análoga. Desta forma, o contágio sistémico internacional até teria sido o mais acertado.

Há que analisar sem tabus dois aspectos cruciais. O primeiro é que dívida aumentou com a privatização do sector empresarial do Estado. A Esquerda, da qual eu represento uma posição ideológica e uma adesão a um partido que não se posiciona tanto centro quanto o de alguns dos membros desta Geração à Esquerda, não pode permitir a descapitalização do Estado, principalmente quando se fala em empresas que distribuem dividendos elevados. O segundo ponto, prende-se com o negócio que a dívida portuguesa foi e é. Por um empréstimo de 79 mil milhões, Portugal vai pagar ao FMI 39 mil milhões. E não é só o Fundo que lucra com isto. Não sejamos inocentes. Não podemos permitir que discursos sobre políticas económicas cedam a pressões, pois, caso o façamos, estaremos a poucos Passos de votar em mercados e não em Partidos.

Já o disse, na minha crónica anterior nesta plataforma, mas volto a repetir: os países não podem ser ratos de laboratório! Com isto, nestes últimos anos, cultivou-se em Portugal o discurso da inevitabilidade, injectou-se o bicho austeritário na moral portuguesa e a ideia de que as pessoas valem menos que a pressa da frágil vaidade estatística. Isto perturba-me, assusta-me: a ética descartável de certas instituições levada ao extremo! Que esta Geração não o permita mais (estou confiante que não o fará!)

 

Nuno Menezes

Colaboradores

Ana Sofia Santos

Carlota Borges

Carolina Correia

David Serrachino

Diogo Amaral

Filipe Barroso

Filipe Fernandes

Fábio Romão Morgado

Geração à Esquerda

Hugo Carvalho Gonçalves

João Quartilho

João Rocha

Mafalda Monteiro

Miguel Matos

Nuno Menezes

Raquel Rodrigues

Rui Lopes

Sofia Lopes

Tânia Teixeira

Teresa Fernandes

Tomás Santos

Mensagens

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D