Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Geração à Esquerda

Geração à Esquerda

SERVIÇO NACIONAL: EDUCAÇÃO

educação.jpg

A educação é um direito humano fundamental e, essencial para o exercício pleno de todos os direitos. Deve, por isso mesmo, o seu acesso ser universal e gratuito, é subscrito como um dos pilares dos direitos da criança.

 

Em Portugal tivemos quatro anos de grande austeridade com a direita no poder, as crianças e suas famílias depararam-se com inúmeras dificuldades, restrições, constrangimentos de variadas ordens (económicas, logísticas, entre outras). Tais dificuldades refletiram-se, frequentemente em problemas sociais, como o insucesso escolar ou mesmo, o abandono escolar. Numa conjetura de crise a escola assume-se com um outro papel que não o de educador, o de provisão de recursos em que as refeições diárias, por exemplo, são as únicas no quotidiano.

 

O governo anterior assumiu algumas das medidas mais singulares do Estado Novo como o regresso do exame da "4º classe", o que foi inaceitável.

 

Com Crato, tivemos milhares de alunos sem acesso ou com acesso extremamente restritivo ao ensino artístico, cortes de financiamento no serviço da educação, que afectaram milhares de crianças e jovens. O governo de direita pura e simplesmente desistiu da escola pública.

Agora temos um novo tempo, um governo de esquerda, de alternativa, que defende o serviço nacional de educação para todas as crianças.  A esquerda acabou com o exame do 4º ano, defende a distribuição e  redução dos preços dos livros escolares e prepara medidas educativas especiais para crianças com doenças oncológicas, entre outras medidas já aplicadas.

Desde já, é de ressalvar a medida que o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou que e que visa permitir às crianças com cancro irem à escola, garantindo-lhes condições especiais de frequência e avaliação.

 

Este governo já está a fazer mudanças em pouco tempo, mas ainda há muito a fazer. É preciso avaliar e encontrar soluções para a escola e para todos os actores que a constroem. O concurso dos professores, é vergonhoso, os professores serem deslocados a inúmeros quilómetros de casa, longe da sua família e cidade. Reativar as novas oportunidades, que a direita tentou acabar e valorizar os cursos profissionais e o ensino artístico são outras medidas a refletir e importar. O Parlamento da esquerda e o governo já mostraram que estão próximos das escolas, dos sindicatos.

A esquerda mostra que ninguém fica para trás, todos são importantes e que  a sociedade deve ser para todos e não ,apenas para alguns. Devemos ter os mesmos direitos. Com António Costa e o seu governo a educação volta a ser uma "paixão" em Portugal.


Tânia Teixeira

Colaboradores

Ana Sofia Santos

Carlota Borges

Carolina Correia

David Serrachino

Diogo Amaral

Filipe Barroso

Filipe Fernandes

Fábio Romão Morgado

Geração à Esquerda

Hugo Carvalho Gonçalves

João Quartilho

João Rocha

Mafalda Monteiro

Miguel Matos

Nuno Menezes

Raquel Rodrigues

Rui Lopes

Sofia Lopes

Tânia Teixeira

Teresa Fernandes

Tomás Santos

Mensagens

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D